Friday, August 27, 2010

Wednesday, August 25, 2010

last week i saw places i had only dreamed of



songs: {o campo - tiago bettencourt} {brightly wound - eisley} {one - aimee man} {branle das lavadeiras - medieval} {endless song of happiness - yael naim} {controdanso e baile - medieval} {lost at sea - eisley}  

Tuesday, August 17, 2010

{saudades}

:: abraços
:: sorrisos
::desafios
:: comunidade e família
:: pausa
:: trabalho
:: gargalhadas
:: crescer
:: amar
:: transformar
:: noites debaixo das estrelas
:: ...

respira-se de forma diferente por lá, no lugar onde mora o coração o ano inteiro. ficam as saudades e as memórias e a vontade de as manter vivas.

Monday, August 16, 2010

{blogue}

mantivera no fim da adolescência
aquilo a que chamava simplesmente
o seu diário íntimo:
páginas manuscritas onde ardiam
rastilhos de mil sonhos que rasgavam
as mordaças da angústia social,
a timidez tão própria da idade.

nessa caligrafia cuja cor
fora ainda a do sangue
colheu a energia necessária 
para atravessar como um sonâmbulo
o ordálio daquela juventude,
o seu incandescente calendário 
de amizades vorazes, tão velozes
como os amores que julgava eternos
e outras feridas mal cauterizadas.

hoje quase não volta a essas páginas:
estamos no século XXI
e em vez do diário de outros tempos
mantém agora um blogue
onde todos os dias extravasa
recados, atitudes, confissões
coisas no fundo tão inofensivas
como o fogo que outrora lhe acendia
as frases lacinantes
- embora hoje em dia quando escreve
tenha por um momento a ilusão
de que as suas palavras continuam
a propagar ainda o mesmo vírus,
e a alimentar, quem sabe, os mesmos
sonhos
sempre que alguém desconhecido as ler
como quem só assim escutasse
um segredo na noite do mundo.

mas, apesar de todo o entusiasmo
que o mantém acordado por noites sem fim,
ele adivinha que também virá
um dia a abandonar sem saber como
o seu actual vício solitário
e dentro de alguns anos, ao reler
as frases arquivadas no computador,
talvez tudo isso lhe pareça então
fruto de gestos tão adolescentes
como os que antigamente preenchiam
esses cadernos amarelecidos
e hoje sepultados para sempre
em esquecidas gavetas de outro século.

- fernando pinto do amaral